Ir para acessibilidade
inicio do conteúdo

Seção Extra

Autoavaliação

AUTOAVALIAÇÃO E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

 

A Proposta de Autoavaliação do Programa de Mestrado Interdisciplinar em Cultura e Sociedade (PPGCULT) da Universidade Federal do Maranhão – UFMA decorre da necessidade formativa de autoconhecimento e de aprendizagem, por parte do Programa, acerca de seus egressos, de sua inserção social e de si mesmo. Sendo assim, tamanha necessidade formativa implica num processo participativo da comunidade que integra o PPGCULT, pois sua vocação está direcionada para a formação e aperfeiçoamento de recursos humanos em pesquisas interdisciplinares com área de concentração em Cultura e Sociedade, bem como a realização e divulgação de pesquisas científicas que priorizem objetos de estudos locais e regionais. Além disso, esse processo participativo é constituído pela diversidade de atores sociais e acadêmicos cuja área de concentração do Programa corresponde de maneira direta, ou seja, Cultura e Sociedade dizem respeito à multiplicidade das investigações científicas referentes às manifestações, experiências e formas de organização social. Sem deixar de abranger a diversidade sociocultural numa perspectiva histórica e contextualizadora, identificando, atualizando e problematizando os limites e possibilidades da reprodução social, vindo a descrever como tais práticas sociais são absorvidas, recriadas e transmitidas às gerações futuras. Isso ocorre de maneira concreta nas pesquisas dos docentes que integram as duas linhas de pesquisa do PPGCULT: 1 - Expressões e processos socioculturais e 2 - Cultura, Educação e Tecnologia. Consequentemente, com o propósito de integrar tamanha diversidade constitutiva do PPGCULT, a AutoAvaliação é marcada por um processo participativo e representativo dessa multiplicidade, isto é, existe a presença de docentes, discentes, técnicos, egressos e membros da comunidade, que de alguma maneira foi envolvida na inserção social realizada pelas pesquisas desenvolvidas no PPGCULT.Nesses termos, a Proposta de AutoAvaliação do PPGCULT pretende possibilitar uma reflexão sobre o contexto e as políticas adotadas, além da sistematização dos dados que conduzam à tomada de decisão por parte da comunidade que compõe o programa. Ademais, o processo de AutoAvaliação proporcionará a busca pela qualidade da produção do conhecimento que se efetiva nos espaços das linhas, dos projetos, dos grupos e das redes, tal qual, nas atividades desenvolvidas no ensino e suas relações com a pesquisa e a extensão, sempre à luz do princípio expresso nocaput do artigo 207 da Constituição Federal, o qual preconiza a indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão. Esse relevante princípio constitucional implica na concepção de Universidade que a comunidade do PPGCULT adota para si, ou seja, a instituição universitária no entendimento do PPGCULT é composta pela indissociabilidade entre processos e procedimentos (cognitivos, afetivos, pedagógicos e administrativos) de ensino, pesquisa e extensão. Desse modo, a presente proposta compreende a avaliação como um processo capaz de elaborar um diagnóstico do presente e consequente interpretação desse diagnóstico com base em princípios claros e específicos (ética, transparência, justiça, perspectiva crítica, democracia, participação coletiva e respeito à identidade do curso), vindo apontar, de maneira sistemática, futuras possiblidades que sejam capazes de contribuir para o crescimento do programa. Por consequência disso, a AutoAvaliação é entendida, pela comunidade constitutiva do PPGCULT, como sendo uma autocompreensão crítica realizada de maneira participativa e dialógica, sustentada em princípios específicos, elaborada e pragmatizada pelos diversos atores integrantes do processo, cujo objetivo consiste em construir tomadas de decisões que conduzam às mudanças e transformações necessárias ao programa. Além disso, o processo de AutoAvaliação proposto pelo PPGCULT está em sintonia com o item 2.3, “Adoção da autoavaliação como parte da avaliação dos PPGs”, do Documento da Área Interdisciplinar, de 2019, elaborado pela Diretoria de Avaliação (DAV), da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). O referido item afirma, em suas páginas 11 e 12, que a autoavaliação poderá contribuir em três aspectos fundamentais: 1- fortalecer a democracia do programa; 2 - auxiliar no fortalecimento dos laços com a comunidade interna e externa; 3 - estabelecer padrões avaliativos e metas futuras mais consistentes com a realidade local, regional e nacional. Isso significa que a vocação do PPGCULT em priorizar, de modo contextualizado, o estudo de objetos locais e regionais está relacionada diretamente com as orientações fornecidas para a área Interdisciplinar. Na esteira do raciocínio do Documento da Área Interdisciplinar acima exposto, o processo de AutoAvaliação do PPGCULT está também alinhado com o “Relatório do Grupo de Trabalho de AutoAvaliação de Programas de Pós-Graduação da CAPES”, de 2019, precisamente com a página 05, pois o programa propõe uma autoavaliação sistemática, contextualizada que possa aproximar, num processo contínuo e de implicação mútua, avaliador e avaliado. Nesse sentido, na perspectiva da integração institucional, cabe também frisar que o processo de AutoAvaliação proposto pelo PPGCULT está relacionado ao eixo referente à “Avaliação” da Universidade Federal do Maranhão – UFMA, que está presente no Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI), 2017-2021. Especificamente no item 7.1.2, “Ações de Ensino de Pós-Graduação”, que prevê em sua página 56, enquanto objetivo, a otimização da gestão acadêmica e administrativa dos Programas stricto sensu. Para tanto, propõe a elaboração de Planos Estratégicos dos Programas de Pós-Graduação para a avaliação quadrienal da CAPES. Com isso, é oportuno mencionar que algumas características do processo de AutoAvaliação proposto pelo PPGCULT já estão presentes inclusive em seu regimento interno (Resolução CONSEPE – UFMA 1433/2016), precisamente em seus artigos 30 e 31, que tratam respectivamente da avaliação quadrienal e anual. Portanto, com base naquilo que foi exposto, a presente proposta de avaliação leva em consideração a Política da CAPES para a Pós-Graduação, sua interpretação e implementação pelo órgão competente da UFMA e a participação horizontal de atores como docentes, discente, técnicos, egressos e demais membros da comunidade constitutiva do PPGCULT, que tem como um dos princípios norteadores a democracia participativa. A demonstração disso está presente na criação das comissões internas do programa voltadas para a operacionalização da autoavaliação. Tais comissões irão funcionar de maneira intersistêmica entre si, cada comissão será alimentada e irá alimentar as demais com dados e interpretações desses dados, objetivando contribuir na autoavaliação como um todo. Nesse sentido, para fins de autoavalição, o PPGCULT possui um total de cinco comissões internas, que são compostas por docentes, discentes, egressos e membros da comunidade, a saber: A – Autoavaliação; B – Internacionalização; C – Acompanhamento de egressos; D – Inovação e impacto econômico social e visibilidade; E – Acompanhamento da qualidade dos dados (Plataforma Sucupira). Com base no exposto, os aspectos a serem avaliados para representar a qualidade do PPGCULT terão como foco a formação e a produção discente na pós-graduação, especificamente do ponto de vista da inserção social e científica. Frisando também a absorção profissional desse discente, enquanto egresso, pelas instituições de ensino e pesquisa tanto públicas, quanto privadas, bem como pelos demais setores voltados para a elaboração e gestão de políticas científicas e culturais que priorizem temas e objetos de estudo locais, regionais e nacionais. A formação e a produção discente na pós-graduação, especificamente do ponto de vista da inserção social e científica pode ser pensada a partir de três perspectivas complementares que podem ser relacionadas ao item “Formação” da ficha de avaliação. Essas três dimensões são: 1 - atuação dos docentes permanentes em relação às atividades de pesquisa e de formação do programa e à produção intelectual; 2 - qualidade e adequação das dissertações ou equivalente em relação à área de concentração e linhas de pesquisa do programa; 3 – qualidade da produção de discentes e egressos. Dessa maneira, à luz do enquadramento na área Interdisciplinar, do princípio de indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão e da vocação do PPGCULT, que busca a formação e aperfeiçoamento de recursos humanos em pesquisas interdisciplinares com área de concentração em Cultura e Sociedade, a definição de qualidade adotada pelo programa também está relacionada à formação e à produção discente, especificamente do ponto de vista da inserção social e científica. Isso significa que a concepção de qualidade do PPGCULT resulta do impacto social dessa produção discente e de sua absorção pela comunidade científica. O impacto social pode ser inicialmente verificado no processo constitutivo dessa produção, o qual diz respeito à escolha e à interlocução com objetos de estudos locais e regionais, envolvendo instituições e comunidades do ponto de vista das fontes primárias e das justificativas de pesquisa, promovendo um atravessamento entre essas fontes primárias e a literatura acadêmica disponível sobre esses temas, gerando, assim, uma atualização dessa literatura do ponto de vista conceitual, dos debates entre as perspectivas interpretativas utilizadas e naquilo que tange aos dados coletados. Ademais, semelhante impacto social está presente nos efeitos dessas pesquisas, promovendo a integração com outros programas, outros setores da Universidade e, principalmente, com os atores sociais envolvidos no processo de produção dos respectivos trabalhos, legando algo que contribua em termos de políticas e práticas capazes de encaminhar problematizações pertinentes a esses contextos. Por sua vez, a inserção científica dessa produção discente, que não está dissociada de seu impacto social, concerne ao escoamento, à divulgação e à publicização das pesquisas realizadas através de distintos meios como: periódicos portadores de fator de impacto, periódicos dotados de qualis pelo menos de extrato A (1,2,3 e 4), organização de seminários expositivos com fomento, participação em seminários de divulgação científica organizados pela instituição e por outras instituições nacionais e internacionais, realização de exposições para a apresentação junto à comunidade acadêmica de trabalhos técnicos, produções artísticas acompanhadas pela devida curadoria e divulgação no site e nas redes sociais do programa, da Universidade e nas mídias tradicionais (jornal, rádio e televisão). Portanto, a definição de qualidade para a comunidade integrante do PPGCULT consiste na produção acadêmica (científica, técnica e artística) que esteja de acordo com a área de concentração em Cultura e Sociedade, atendendo às exigências de suas linhas de pesquisa, bem como sejam portadores de impacto social e científico conforme a caracterização acima. Por conseguinte, em termos de Autoavaliação, a missão do PPGCULT está relacionada de maneira direta aos objetivos estabelecidos. Assim, tamanha missão pretende formar recursos humanos, a partir de pesquisas interdisciplinares, na área de concentração em Cultura e Sociedade, promovendo a qualificação de profissionais e estudantes egressos das mais distintas áreas das ciências humanas, sociais e sociais aplicadas para atuarem na docência e na pesquisa da educação básica, do ensino superior bem como como a gestão de políticas públicas que priorizem temas e objetos de estudo locais e regionais, todavia sem deixar de tratar também de temas e objetos nacionais e internacionais. A partir disso, cabe ao PPGCULT: estudar, de um ponto de vista interdisciplinar, epistemologias e metodologias capazes de abordar a diversidade sociocultural, prioritariamente local e regional, numa perspectiva histórica e contextualizadora; identificar limites e possibilidades da reprodução social e o papel dos diferentes atores, evidenciando como tais práticas são absorvidas, recriadas e transmitidas às gerações futuras; qualificar os operadores da cultura para atuação na gestão, assessoria e consultoria a órgãos governamentais, entidades de classe e organizações não-governamentais. Com isso, os critérios de avaliação (docente, do egresso e, sobretudo, discente) são: 1 – pertinência à área Interdisciplinar; 2 – enquadramento na área de concentração em Cultura e Sociedade; 3 – impacto do social; 4 – impacto científico. Consequentemente, as escalas de avaliação a serem utilizadas serão “ruim”, “satisfatório” e “bom”. Entende-se como “ruim” uma produção que não cumpra nenhum dos quatro critérios acima expostos. Já uma produção “satisfatória” atende aos critérios 1, 2 e 3. Por fim, uma produção “boa” satisfaz os critérios 1,2,3 e 4. Os resultados da avaliação serão utilizados para possibilitar uma reflexão sobre o contexto e as políticas adotadas, além da sistematização dos dados que conduzam à tomada de decisão por parte da comunidade que compõe o programa. Esses resultados serão utilizados para pautar e direcionar a construção de decisões por parte das cinco comissões internas do PPGCULT (Autoavaliação; Internacionalização; Acompanhamento de egressos; Inovação e impacto econômico social e visibilidade; Acompanhamento da qualidade dos dados). Sendo assim, estamos elaborando a presente proposta de avaliação enquanto caminho para concretização de um Curso de Mestrado Interdisciplinar em Cultura e Sociedade que esteja sintonizado com a Política da Pós-Graduação em nível nacional e internacional, mas que, também, atenda prioritariamente às necessidades regionais, históricas e sociais.

 

OBJETIVOS DA AVALIAÇÃO

 

- Produzir um autoconhecimento sobre o Programa de Mestrado Interdisciplinar em Cultura e Sociedade da UFMA, compreendendo e analisando suas dimensões regional, histórica, cultural e social, ampliando suas relações com a comunidade, a partir de um diagnóstico do Curso na percepção da comunidade interna e externa, sobretudo dos discentes. Para alcançar com êxito o que se propõe traçamos os objetivos específicos que nortearão a operacionalização do processo:

 

a) Instituir uma comissão de avaliação para coordenar o processo com representações de distintos segmentos (docentes, discentes, egressos, técnicos e membros da comunidade); b) Elaborar a proposta e os instrumentos de avaliação;

c) Discutir com os diversos segmentos a proposta de avaliação;

d) Sensibilizar a comunidade acadêmica sobre a importância do envolvimento de

todos no processo.

e) Implantar um banco de dados contendo o registro das informações coletadas;

f) Coletar as opiniões dos docentes, discentes, egressos, membros da comunidade e técnicos sobre as ações desenvolvidas no programa;

g) Analisar e discutir as opiniões e informações coletadas;

h) Elaborar relatórios que contemplem os pontos fortes e fracos e as sugestões para

melhorias do programa;

i) Promover espaços de discussões com a comunidade acadêmica;

j) Implantar a avaliação enquanto processo permanente, que será retroalimentada semestralmente pelos trabalhos das cinco comissões: A – Autoavaliação; B – Internacionalização; C – Acompanhamento de egressos; D – Inovação e impacto econômico social e visibilidade; E – Acompanhamento da qualidade dos dados (Plataforma Sucupira).

 

Nº DE DIMENSÕES E/OU VARIÁVEIS COMPONENTES DA ESTRATÉGIA DE AUTOAVALIAÇÃO

 

1. Proposta do Programa:

 

  • Objetivo do Programa;
  • Contextualização histórica do Curso;
  • Linhas de pesquisa ofertadas e articulação existente entre elas;
  • Política de credenciamento, recredenciamento e descredenciamento de docentes;
  • Demandas regionais e contexto histórico, social e econômico predominante na região em que o curso está inserido;
  • Organização Curricular;
  • Atuação do Colegiado de Curso;
  • Índice de reflexão e trabalho coletivo dentro do Curso;
  • Projetos (enfatizar a existência de projetos de pesquisa em andamento, especificando a participação e coordenação dos professores nos mesmos);
  • Intercâmbios e redes existentes entre o Programa de Mestrado em Cultura e Sociedade/UFMA e outras instituições;
  • Proposta de avaliação dos alunos;- Proposta de avaliação do Programa.

2. Estrutura administrativa, organizacional e Infraestrutura existente:
 
  • Estrutura Física (estado de conservação do prédio, iluminação, acústica etc.);
  • Recursos financeiros recebidos pelo Mestrado;
  • Número de bolsas;
  • Número de alunos;
  • Número de funcionários técnico-administrativos;
  • Número de afastamentos para qualificação;
  • Número de salas: coordenação, secretaria, salas de aula, sala de pesquisas para docentes e alunos, salas para atendimento e orientação;
  • Condições de funcionamento das salas de aula;
  • Limpeza dos espaços;
  • Estado e conservação dos equipamentos do Programa;
  • Biblioteca: com amplo e pertinente acervo bibliográfico incluindo textos clássicos da área em diversos idiomas e bibliografia atualizada que atenda às linhas de pesquisa;
  • Laboratório de pesquisa com estrutura adequada para a demanda;
  • Página web atualizada, com todos os dados do programa: objetivos do programa, avaliação do programa, quadro docente, quadro discente, egressos, do processo de seleção à dissertação, produções acadêmicas (eventos, grupos de pesquisa, revista do programa, entre outros).
 
3. Docente:
 
  • Quantidade de professores permanentes no Programa;
  • Perfil do docente (idade, gênero, etc);
  • Nível, área e tempo de Formação;
  • Tempo de serviço na UFMA e no Programa;
  • Relação entre os profissionais do Curso e os alunos (grupos, redes e projetos de pesquisa);
  • Trabalho conjunto entre comunidade-curso-UFMA (atividades com a graduação, escolas públicas e sociedade em geral);
  • Rendimento do professor em sala de aula na ótica do aluno;
  • Frequência do professor;
  • Instrumentos e Critérios utilizados para avaliar o desempenho dos alunos;
  • Disciplinas ministradas;
  • Nº de orientandos (mestrado, IC e TCC).
 
4. Discente:
 
  • Critérios de seleção para o PPGCULT/UFMA;
  • Perfil do discente (idade, gênero, renda familiar, etc);
  • Rendimento discente-Fluxo acadêmico (evasão, qualificação, defesa, etc);
  • Cumprimento do tempo estipulado para conclusão do Curso;
  • Participação de membros doutores internos e externos nas bancas de defesa;
  • Tipo de acompanhamento que o aluno já dispõe no Programa;
  • Participação em projetos, grupos e redes de pesquisa;
  • Número de bolsas concedidas;
  • Participação em conselhos, colegiados e comissões;
  • Produção acadêmica (inserção social e científica).
 
5. Funcionário:
 
  • Perfil do funcionário (idade, gênero, etc);
  • Titulação-Relação com professores, alunos e Coordenação.
 
6. Gestão:
 
  • Perfil da gestão (idade, gênero, etc);
  • Procedimentos e formas de distribuição das disciplinas do Curso;
  • Acompanhamento das atividades do Programa-Orientação acadêmica para os ingressantes;
  • Incentivo à qualificação e a produção acadêmica;
  • Encaminhamento dos processos e documentos do Programa Atendimento à comunidade acadêmica;
  • Ação para solução dos problemas do Programa;
  • Promove ações que possibilita a participação da comunidade nas tomadas de decisão do Curso;
  • Avaliação da Gestão na ótica do aluno, do professor e do funcionário;
  • Tempo dedicado ao Curso.
 
7. Produção Bibliográfica, Técnica e Artística:
 
  • Principais produções do Programa por docente permanente.
 
8. Inserção Social:
 
  • Captação de recursos para as pesquisas tendo em vista a contribuição social destas (financiamento para pesquisa);
  • Apoio aos docentes e discentes em eventos educacionais/acadêmicos a fim de socializar os resultados parciais ou finais.
 

METODOLOGIA


A avaliação deve iniciar com o estudo da Proposta do Programa que será o parâmetro para as análises. É necessário conhecer previamente os objetivos do Programa, os fundamentos conceituais, a matriz curricular, dentre outros, questões que já estão definidas no APCN – Proposta do Programa.

O levantamento e coleta de dados se darão em forma de pesquisa, procedendo-se uma avaliação baseada nos aspectos quanti/qualitativos, com ênfase no qualitativo. Serão adotadas como técnicas de pesquisa: análise documental e aplicação de questionários.

 

Análise documental - Serão analisados os seguintes documentos: APCN- Proposta do Programa, Regimento do Programa, Leis, Pareceres e Instruções Normativas. Construção de um banco de dados contendo o cadastro geral do Programa conforme os indicadores descritos no quadro acima. As informações para compor o banco de dados serão coletadas na Secretaria do Programa.

 

Aplicação dos Questionários - A coleta de opiniões será realizada a partir da aplicação de questionário aos alunos, professores, gestores e funcionários. Os questionários serão elaborados para cada segmento com a participação dos mesmos e será aplicado para o universo da população, uma vez que não se trata de uma população grande. As questões do questionário devem contemplar as dimensões e os indicadores previstos nesta Proposta de Autovaliação.

 

Tabulação e Sistematização das informações - Será construído um banco de dados no Programa Microsoft Office Excel, no qual serão transcritas todas as informações dos questionários de forma bruta. As questões fechadas serão tabuladas a partir da frequência das respostas e as questões abertas, serão transcritas para posterior categorização. A Comissão analisará todos os dados e construirá um relatório preliminar.

 

Apresentação dos Resultados à Comunidade Acadêmica - De posse do relatório preliminar de avaliação, a comissão apresentará os resultados que serão disponibilizados para discussões em um seminário que contará com a participação de todos os segmentos envolvidos.

 

Elaboração do Relatório Conclusivo – A partir das discussões do seminário será elaborado um documento analítico que contemple os pontos fortes e fracos do curso precedido de sugestões que visem melhorias qualitativas em cada dimensão. Desse documento sairá um acordo das mudanças que serão implementadas para os próximos três anos, traduzidas em metas e ações que serão integrada ao planejamento do Programa.

 

Em quais pontos o programa pode melhorar


O Programa tem avançado na construção de projetos e grupos de pesquisa interdisciplinares e interinstitucionais. Tem articulado ações entre os programas interdisciplinares afins, da área de ciências humanas e sociais. A nossa produção tem melhoro consubstancialmente, contudo necessitamos manter a produção científica a partir de projetos de pesquisa e de expandir as publicações em suas diferentes modalidades. Outro aspecto importante a ser melhorado é a inserção social do Programa, neste sentido temos envidado esforços para participar do processo de gestão e implantação das políticas culturais a nível estadual e municipal, bem como no âmbito da UFMA. ressaltamos a criação de um disciplina solicitada no âmbito municipal e estadual, pelos gestores da Cultura Maranhense e Nordestina, uma disciplina sobre Gestão Cultural, que será lançada no segundo semestre de 2018. Resultado de conversações desenvolvidas com setores da Secretaria da Cultura dos governos Municipal e Estadual. A ideia central da disciplina, foi pensar a universidade como espaço de produção de pesquisa em cultura, formação de agentes e gestores de cultura, e de fomento a atividades artísticas e eventos culturais. O Programa pretende estabelecer um convênio com o Ministério da Cultura para esta finalidade.

 

fim do conteúdo